Receba nossas atualizações e outras notícias pelo Facebook!

"Uma pessoa chamada Xeina"

17/09/2011 de DF - Correio Braziliense, por Da Redação

Tamanho da Fonte

+ -

O quarto-secretário da Câmara, deputado Júlio Delgado (PSB-MG), destinou à ONG Ação Social Luz da Manhã, do Rio de Janeiro, uma emenda de R$ 150 mil para a produção de uma reportagem em vídeo com estudantes de escolas públicas e moradores de comunidades carentes de Cataguases (MG). O motivo? "Uma pessoa chamada Xeina", segundo o deputado, visitou seu gabinete e apresentou o trabalho da ONG. Foi o suficiente para que a organização fluminense fosse beneficiada.

A sede da entidade funciona em um apartamento na Rua Pará de Minas, no bairro Engenho da Rainha, perto do Complexo do Alemão, conjunto de favelas cariocas. A organização está registrada em nome de Ronaldo de Sena Santos, 44 anos, líder comunitário e conhecido cabo eleitoral de políticos da capital fluminense.

A reportagem esteve na sede da Ação Social Luz da Manhã, na terça-feira, mas não havia ninguém no apartamento. Nenhum dos vizinhos sabia da existência de uma entidade que trabalha na área cultural e artística, como consta no registro da ONG — criada em junho de 2005 — na Receita Federal. No local, segundo eles, mora "seu Ubirajara". Localizado pela reportagem, ele confirmou o funcionamento da ONG em seu apartamento. "A ONG funciona na minha casa, sou o diretor artístico da Ação Social Luz da Manhã", contou.

Mesmo funcionando em um apartamento sem nenhuma estrutura administrativa aparente, a ONG embolsou R$ 415,8 mil dos ministérios da Cultura e do Turismo e também da Caixa Econômica Federal para promover feiras culinárias e CDs de marchinhas em comemoração ao centenário do ator e compositor Mário Lago, que será celebrado este ano.

Em um dos convênios com o Ministério do Turismo, a Luz da Manhã foi considerada inadimplente devido a problemas na prestação de contas. Uma tomada de contas especial chegou a ser instaurada para apurar o destino da verba, e foi determinada a devolução do dinheiro liberado durante a gestão da hoje senadora Marta Suplicy (PT-SP) à frente da pasta.

Por telefone, o responsável pela ONG, Ronaldo de Sena Santos, disse que a entidade não funciona mais na casa de seu Bira, mas na sua própria residência, no bairro Engenho Novo. Depois, em outra ligação, alterou a versão, comentando que a Luz da Manhã estava temporariamente no domicílio de seu Bira, pois o aluguel da sede oficial, no bairro das Laranjeiras, havia ficado muito caro, e a organização não tinha condições de arcar com os custos. No entanto, na Receita Federal, a sede da ONG está registrada na Rua Pará de Minas.

Ronaldo de Sena disse também que não conhece o deputado Júlio Delgado e não sabia que tinha emendas do parlamentar mineiro destinadas a sua entidade. Questionado sobre as atividades da ONG, o líder comunitário afirmou que a Luz da Manhã "sempre foi filantrópica" e que, de um tempo para cá, passou a trabalhar com artistas no período de carnaval. Acrescentou ainda que também atua em um projeto para a Copa do Mundo e vai fazer um trabalho para o "pessoal do iatismo".

Videorreportagem

O deputado Júlio Delgado, que disse não conhecer Ronaldo de Sena Santos, contou como foi a visita de Xeina a seu gabinete, no ano passado, quando ela apresentou a entidade ao parlamentar mineiro. "Ela levou a documentação de registro da ONG e me mostrou os trabalhos feitos em outros estados, como Mato Grosso, Rio de Janeiro e São Paulo, além de Minas", afirmou.

O parlamentar disse que ligou para o prefeito de Cataguases a fim de saber se ele teria interesse no trabalho de divulgação por meio de uma videorreportagem. Com a resposta afirmativa, Delgado redigiu a emenda de R$ 150 mil. "A emenda não foi empenhada. Ligaram para o meu gabinete do Ministério da Ciência e Tecnologia para saber se eu queria dar continuidade à emenda, mas como a Xeina não tinha aparecido mais aqui, eu disse que não precisava. Foi a única emenda que eu coloquei para essa ONG." O parlamentar não soube informar o sobrenome de Xeina, mas passou o telefone da mulher. A reportagem tentou entrar em contato, mas ninguém atendeu às ligações.